terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Raízes

Andámos por terras de superfície onde encontrámos outros,
onde fizemos árvores, demos frutos,
mas nunca criámos raízes.

Tu e eu somos raízes escondidas,
numa terra de disfarce que nos separou,
onde sempre nos tocámos de longe dos olhares,
nos toques enterrados,
mas nunca esquecidos,
toques que só nós sentimos,
ricos nas profundezas da terra
onde nos amámos, amamos e vamos amar,
tocados por raízes valiosas
que muitos não sabem,
que muitos não adivinham,
que muitos nem sonham.

Estamos unidos onde nos interessa,
onde nos alimentamos,
onde sempre soubemos onde nos encontrar,
onde nem o tempo ousou tocar,
apesar de brincar,
tempos sem fim.
Mas as raízes resistiram,
as raízes florescem,
e, finalmente, podem brotar no topo da terra,
que as guardou,
preservou,
alimentou,
e amou.

Um dia, em breve,
perceberemos que afinal,
e apesar de todos pensarem,
e, até, de nós próprios pensarmos,
nunca por nunca estivemos sós.



4 comentários:

  1. Belas palavras...
    Excelente Ilustração !!

    ResponderEliminar
  2. Olá, Marciana! Gostei de seus versos! Parabéns! Estarei a ler-lhe.
    Grande abraço,

    ResponderEliminar
  3. OLá Rodrigo :-) Agradecida pelas tuas palavras!!

    ResponderEliminar